SINAL VERMELHO: covid infecta 1 a cada 5 em Joaçaba

Divulgação/Pexels

Números representam praticamente 20% da população. Superam a média de SC, que é 1 a cada 7 pessoas e somam 6.032 positivados desde o início da pandemia. Joaçaba apresenta quadro crítico, maior que o dobro da média nacional de infectados, que é de 1 a cada 12 brasileiros. No Hust, a letalidade chega a 24%.

Rodrigo Leitão
jornalismo@raizesdiario.com.br

Nesta quarta-feira, dia 16 de junho, Joaçaba atingiu a triste marca de um infectado por covid-19 a cada 5 habitantes. Este número é superior ao registrado no Estado de Santa Catarina, que na segunda-feira, dia 14, chegou a mais de um milhão de contaminados pelo novo coronavírus, batendo a média de 1 a cada 7 catarinenses.

Os números da covid-19 em Joaçaba, embora não pareça, são alarmantes e superam o dobro do contágio no Brasil, proporcionalmente falando. Enquanto aqui o contágio chega a quase 20% da população ou 1 infectado a cada 5 pessoas, no país a média é muito menor, de 1 a cada 12 brasileiros positivados pelo novo coronavírus desde janeiro de 2020.

Divulgação/Pexels

AGLOMERAÇÕES
Festinhas nos finais de semana em sítios e casas pelo interior. Pessoas transitando abertamente sem máscaras pelas ruas do centro da cidade. Comércio cheio, filas nas portas das agências bancárias sem o distanciamento sugerido de 1,5 metro entre as pessoas. Bares e restaurantes sem afastamento de dois metros entre as mesas. Funcionários de empresas como Celesc, Simae, construtoras e até mesmo da prefeitura, trabalhando nas ruas sem máscaras e aglomerando entre si.

Parece que o tempo é normal, que estamos em 2019. Mas não, essa é a Joaçaba de junho de 2021, um ano e meio após o início da pandemia que já matou 62 cidadãos joaçabenses desde julho do ano passado. Portanto, uma morte a cada 3 dias. E não precisa ser bom em matemática para chegar a essa conclusão.

Nas últimas 24 horas, entre os dias 15 e 16 de junho, surgiram 43 novos casos de covid-19 em Joaçaba, conforme informações da Secretaria de Saúde. O Boletim Epidemiológico do município, expedido No final da tarde desta quarta-feira, dia 16, apontava 601 pacientes com sintomas gripais e em isolamento. Eram consideradas suspeitas e aguardavam resultado de exames outras 250 pessoas.

Desde o início da pandemia, por aqui, em março do ano passado, 6.032 pessoas testaram positivo, o que representa exatamente 19,8% da população. O mesmo boletim informa que 266 joaçabenses estão acometidos pelo vírus e 12 encontram-se hospitalizados. Mesmo com 17.746 pessoas (58% da população) sendo testadas; 12.682 (42% dos habitantes) tendo recebido a primeira dose da vacina e outros 4.605 (15%) tomado as duas doses e assim sendo consideradas imunizadas, a situação ainda não está sob controle.

HUST
Se a situação em Joaçaba é agravante, o quadro piora muito quando estratificado apenas o Hospital Universitário Santa Terezinha (Hust). Lá, a taxa de letalidade (ou mortalidade) da Covid-19 chega a 23,8%. Com mais um óbito registrado na terça-feira, dia 14, de um paciente de Treze Tílias, o número de internados que morreram no hospital, desde o início da pandemia, chegou a 193 pessoas.

A equipe do Hust, que tem contabilizado várias baixas por infecção provocada pela covid-19, tanto de médicos quanto de enfermeiros e estagiários, embora o hospital não confirme, já atendeu 3.893 pessoas neste período. Destes pacientes, 812 foram internados e 193 morreram. Na UTI, 100% dos leitos estão comprometidos e 67% da enfermaria estão ocupados. Nesta quarta-feira, quatro pacientes aguardam vaga no tratamento intensivo.