Copa América será mesmo no Brasil

Com as desistências de Argentina e Colômbia, Conmebol define o novo anfitrião do torneio com apoio do presidente Bolsonaro e da CBF. Final será no Maracanã

O Brasil é o novo país-sede da Copa América. Após reunião emergencial nesta segunda-feira, dia 30 de maio, no Palácio do Planalto, em Brasília e com total apoio do presidente Jair Bolsonaro, a Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol) decidiu  transferir para para o Brasil a realização do torneio.

Inicialmente, o campeonato de seleções seria na Colômbia, que desistiu devido à crise política e à pandemia de coronavírus. O país sede, então, passou a ser a Argentina, que abriu mão de sediar o troneio após o agravamento de contágios e mortes provocados pela covid-19.

Pesou a favor do Brasil a expertise da organização da última Copa América, em 2019 (vencida pela Seleção). Além disso, outro argumento utilizado foi o fato de o país ter mais estádios em boas condições para os jogos das equipes nacionais sul-americanas. Em nenhum momento, nem a Confederação Brasileira de Futebol, nem a Commebol e nem o governo brasileiro levaram em consideração a média móvel de morte, na casa de 1.800 brasileiros por dia, nem os mais de 462 mortos desde o início da pandemia do novo coronavírus, para definir a viabilidade da Copa América por aqui.

De acordo com a confederação, as datas de início e término do torneio estão confirmadas — 13 de junho e 10 de julho. Cidades-sedes e a tabela de jogos ainda serão anunciadas, mas já se sabe que ficarão entre Manaus, Brasília, Salvador, Rio e São Paulo. A Conmebol deseja fazer a final no Rio de Janeiro, no Maracanã.

O Brasil é o atual campeão da competição, com o título vencido em 2019, quando a Copa América foi também foi disputada no país.