Cigarro mata mais de 200 mil por ano no Brasil

Divulgação

Hoje é comemorado o Dia Mundial sem Tabaco. Mas apesar de toda a informação e campanha sobre os malefícios do tabagismo, hoje cerca de 11% dos brasileiros são fumantes.

O dia 31 de maio foi escolhido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a data sem tabaco. Desde 1987 a data é lembrada com números gigantescos sobre o mal causado pelo tabaco. De acordo com os registros internacionais, as doenças relacionadas ao fumo matam mais de 5 milhões de pessoas no mundo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, o tabagismo é responsável por cerca de 200 mil mortes por ano.

Mesmo com dados significativos, os produtos derivados do tabaco, que incluem, além do cigarro, narguile, cigarro eletrônico e com sabores, cachimbos e charutos, ainda são bastante consumidos no País e no mundo. “É válido parar de fumar em qualquer fase da vida, independentemente da idade e há quanto tempo fuma, pois os benefícios são imediatos, melhorando o paladar, olfato, circulação sanguínea e capacidade pulmonar, além de voltar gradativamente a ter a mesma probabilidade que não fumantes para infarto, por exemplo”, explica Andrea Reis, técnica do Programa Nacional de Controle do Tabagismo do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Ou seja, a desculpa de que já se fuma há muito tempo ou está velho demais para parar de fumar não é verdadeira, tendo benefícios em qualquer fase da vida. Quanto antes parar, mais rapidamente o organismo responde, com a diminuição dos sintomas do tabagismo e de desenvolver doenças relacionadas a ele.

“Há uma rede de tratamento pelo SUS totalmente gratuito, que trabalha com terapias comportamentais, encontros em grupo e, quando necessário, é disponibilizado medicamento para quem tem dependência severa. Para participar do programa, basta procurar uma unidade de saúde do SUS na localidade onde mora”, destaca Andrea.

Mas, sabendo-se dos malefícios e consequências do tabaco, o que leva muitas pessoas a iniciarem e não conseguirem parar de fumar? A técnica do Inca destaca que a dependência à nicotina faz com que os fumantes tenham medo dos efeitos iniciais de ficar sem a substância.

“A principal dificuldade para quem quer parar de fumar é o medo de ficar sem o cigarro, uma vez que o tabaco é uma substância psicoativa, atuando no sistema nervoso central, e parar de usar pode causar desconforto físico e mental. A nicotina leva de 7 a 19 segundos para chegar no cérebro, atuando de forma rápida no organismo, o que leva à síndrome de abstinência. Ao entender esse processo fica mais fácil para a pessoa parar de fumar”, explica a especiali.