Experimente um delicioso doce para celebrar o Dia Nacional do Café

Data criada em 2005, estabeleceu o dia 24 porque maio é o mês mais importante para a colheita de um dos produtos que mais identifica o Brasil o no mundo.

Rodrigo Leitão
jornalismo@raizesdiario.com.br

O Brasil é o segundo maior consumidor de café no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e, mesmo assim, pelo tamanho da população. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic), 90% dos brasileiros acima dos 15 anos são consumidores da bebida. Dados divulgados em 2020 sobre o consumo de alimentos no país apontam que o brasileiro consome mais café que arroz e feijão.

Em média, os brasileiros consomem 59 litros ou 5,9 kg de café por ano. Isso dá, aproximadamente, 163,2 gramas por dia. O consumo de feijão equivale a 142,2 gramas por dia (5,19 kg ano) e de arroz, 131,4 gramas por dia ou 4,8 kg por ano.

A história do café começou no século 9. O café é uma planta das terras altas da Etiópia. Os primeiros divulgadores do café foram os egípcios e de lá a Europa tomou conhecimento dessa bebida. Muita gente pensava que a palavra “café” tivesse ligação direta com a cidade de Kaffa, onde a planta foi descoberta. Mas não, “café” deriva de “qahwa”, termo árabe que significa “vinho”. A palara surgiu pela importância que o café passou a ter para o mundo árabe.

CIRIOSIDADES:

– A primeira loja de café surgiu em Constantinopla, em 1745.

– Foi a expansão do Islamismo que levou o café para outras regiões.

– A época dos descobrimentos ajudou a propagar a bebida.

– Foi em 1570 que o café chegou a Veneza, na Itália. Mas os cristãos não tomavam, porque era uma bebida considerada maometana. O café só foi liberado depois que o Papa Clemente VIII provou e gostou.

– A primeira casa de café aberta na Europa foi na Inglaterra, em 1652. Dois anos depois foi a vez dos italianos. Como negócio, o café só chegou a Paris em 1672, quando abriu a primeira casa de café na França.

– E foi na França que se adicionou açúcar à bebida, pela primeira vez. No reinado de Luís XIV, em 1713.

– O café chegou ao Brasil em 1727. A primeira fazenda típica de café foi erguida em Avaré, pelo sargento-mor Francisco de Melo Palheta, a pedido do governador do Estado do Grão-Pará.

DICAS PARA PROVAR

– Dê preferência ao rótulo que trouxer o nome da fazenda produtora. Isso quer dizer que o café é de alta qualidade.

– Se puder, moa os grãos na hora. Os melhores aromas e sabores de café oxidam 20 minutos após a moagem.

– Use água mineral. O cloro anula os óleos essenciais do café. A segunda opção é água que passe por filtros que usam carvão ativado. Por último, água da torneira. Mesmo fervida, ela tem elevados teores de cloro.

– Nas cidades de litoral, o melhor é não ferver a água. Em Brasília e nas outras cidades acima de 200 metros de altitude, não há problema, porque a temperatura de fervura é inferior a 100° C. Quando a água entra em ebulição ela perde o oxigênio que reage com os óleos essenciais do café.

FAÇA EM CASA

Petit Gateau de Café da Mellita

Ingredientes:
300g de chocolate ao leite picado
– 200g de margarina ou manteiga sem sal
– 2 colheres de sopa de café instantâneo
– 5 gemas
– 4 ovos inteiros
– 1 xícara de açúcar
– 1 xícara de farinha de trigo
– Margarina para untar

Modo de preparo
Misture o chocolate com a margarina e o café. Leve ao fogo em banho-maria, mexendo sempre até derreter. Deixe amornar. Reserve. Numa tigela, misture as gemas, os ovos, o açúcar e a farinha. Junte a mistura reservada e mexa até obter uma massa homogênea. Unte 20 forminhas e polvilhe com farinha de trigo. Coloque a massa um pouco acima da metade da forminha. Leve ao forno na temperatura de 200º preaquecido, por 10 minutos. Desenforme ainda morno sobre pratinhos individuais. Sirva a seguir.