Corpo do ex-governador Casildo Maldaner é cremado em Florianópolis

Foto: Divulgação/Agencia Senado

Também ex-senador pelo estado, emedebista estava com 79 anos e após ter superado um câncer em 2018, foi diagnosticado com novo tumor, muito agressivo, há três semanas. O velório ocorreu na Assembleia Legislativa e o corpo foi cremado na tarde desta terça-feira.

Da Redação
jornalismo@raizesdiario.com.br

Foi cremado na tarde desta terça-feira, dia 18 de maio, o corpo do ex-governador e ex-senador por Santa Catarina Casildo Maldaner (MDB). Ele morreu na noite desta segunda-feira (17) aos 79 anos, vítima de câncer. Maldaner  lutava contra o retorno do tumor que ele havia derrotado em 2018. Há três semanas, a doença retornou agressiva e levou o político que estava internado desde o domingo (16) no Hospital de Caridade, em Florianópolis. De acordo com o Boletim Médico, o câncer que afetava o sistema nervoso central retornou sem controle. Casildo Maldaner passou mal de sábado (15) para domingo e foi levado ao hospital em estado grave.

O velório ocorreu na Assembleia Legislativa do Estado (Alesc), em Florianópolis, das 10h às 13h desta terça (18), seguindo os protocolos de segurança e prevenção à covid-19. As atividades previstas para esta terça-feia no legislativo foram suspensas. Por volta das 13h, o corpo de Casildo Maldaner foi levado para o cemitério Jardim da Paz, também em Florianópolis, onde ocorreu uma  cerimônia de cremação reservada à família e amigos mais próximos.

Foto: Divulgação/Alesc

LUTO OFICIAL
O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), manifestou pesar pela perda e decretou luto de sete dias no Estado. “Ele teve uma trajetória pública dedicada aos catarinenses e conquistou admiração e respeito de todos nós. Que Deus esteja com todos os familiares e amigos neste momento”, publicou o governador no Twitter.

Em nota, o MDB de Santa Catarina lamentou a perda e disse que Maldaner “foi uma das maiores e mais carismáticas lideranças do nosso partido”. “Além de suas realizações e conquistas, Casildo será lembrado também pela sua determinação, alegria e força”.

O atual presidente estadual do MDB, Celso Maldaner, usou sua conta no Twitter para comentar a morte do irmão. “Foi uma honra e um orgulho ter um irmão como o Casildo, que, além de ter me inspirado, sempre desempenhou o papel de meu conselheiro”, escreveu Celso.

O presidente nacional do MDB, o deputado federal Baleia Rossi, também manifestou pesar pela morte de Maldaner. “Meus sentimentos a todos familiares e amigos do grande emedebista Casildo Maldaner”, publicou na rede social. A vice-governadora do Estado, Daniela Reinehr (sem partido), também se pronunciou no Twitter e afirmou que “Santa Catarina está em luto”. Segundo ela, o legado de Maldaner está marcado na história catarinense.

TRAJETÓRIA
Natural de Carazinho, no Rio Grande do Sul, Casildo Maldaner nasceu em 2 de abril de 1942 e mudou-se aos 2 anos com a família para Chapecó, no Oeste catarinense. Durante a trajetória política, além de senador e governador, Casildo foi deputado federal, estadual e vereador de Modelo, na mesma região.

O ex-governador começou a história na política em 1962. Em 1986, elegeu-se vice-governador, na chapa encabeçada por Pedro Ivo Campos. Tornou-se chefe do executivo após a morte do então governador em 1990. Foi eleito senador e exerceu o mandato entre 1995 a 2003 e em 2006.

MANIFESTAÇÕES
Casildo é irmão do atual presidente estadual do MDB, o deputado federal Celso Maldaner. Durante a madrugada desta terça-feira (18), a legenda publicou uma nota lamentando o falecimento do político. Segundo o partido, Casildo teve participação decisiva nas eleições catarinenses, além de ajudar a fortalecer a sigla.

Após a confirmação da morte de Casildo, o governador Carlos Moisés (PSL) afirmou que o homem “teve uma trajetória pública dedicada aos catarinenses e conquistou admiração e respeito de todos”. A vice-governadora também lamentou a perda em sua rede social.

A Alesc também manifestou pesar pela morte, assim como a bancada do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) em nota, lembrando a carreira do político e prestando solidariedade à família.

Com informações do G1SC e Correio Braziliense