Coluna Pelo Estado – A aproximação de Carlos Moisés com a Alesc

Foto Agência AL

A visita institucional do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) à Assembleia Legislativa, ocorrida nesta terça-feira, 11, mostrou que a nova fase não ficou apenas no discurso. Na sexta-feira, 7, horas após a homologação do resultado do impeachment, a fala foi de aproximação e intensificação do diálogo. “Vamos construir juntos”, disse ele, ao tratar dos projetos futuros. A ida ao Palácio Barriga Verde foi para pedir a derrubada dos vetos da ex-interina Daniela Reinehr (sem partido) aos projetos de leis que garantem verbas estaduais em rodovias federais. Alinhavado sob a gestão de Moisés, recebeu o canetaço da vice. Após a visita, ficou claro que a aprovação dos PLs é questão de tempo.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Mauro de Nadal (MDB), reforçou a importância da aproximação. “É muito bom a harmonia entre os poderes, até porque todos estão entrelaçados em atender bem os catarinenses. Então, este momento da visita do governador ao Parlamento, discutindo projetos tão importantes para Santa Catarina, que são essas rodovias onde passam não só vidas e riquezas, consolida um novo momento para o nosso estado, momento esse que é uma tendência de fortalecimento da democracia no dia-a-dia.” Nadal entende que o pedido de Moisés deverá ter apoio de todos. “Nós daremos agilidade à matéria, até porque Santa Catarina não pode esperar mais.”

O encontro na Alesc teve a presença de 21 deputados, além de Nadal. José Milton Scheffer (PP), Bruno Souza (Novo), Dr.Vicente Caropreso (PSDB), Silvio Dreveck (PP), Fabiano da Luz (PT), Sergio Motta (Republicanos), Nazareno Martins (PSB), Jair Miotto (PSC), Marcos Vieira (PSDB), Paulinha (PDT), Ivan Naatz (PL), Ismael dos Santos (PSD), Valdir Cobalchini (MDB), Luciane Carminatti (PT), Ricardo Alba (PSL), Kennedy Nunes (PSD), Ana Campagnolo (PSL), Jean Kuhlmann (PSD), Milton Hobus (PSD), Nilso Berlanda (PL) e Rodrigo Minotto (PDT).

Foto Agência AL

Mulheres

Os deputados estaduais aprovaram, por maioria de votos, o PL que reserva 5% das vagas de trabalho em agências de emprego e de vagas nas escolas estaduais para mulheres vítimas de violência doméstica ou familiar e seus filhos. A iniciativa, de autoria da deputada Dirce Heiderscheidt (MDB), recebeu o voto contrário de seis deputados, a maioria do PSL. Ana Campagnolo criticou que a emenda de sua autoria foi rejeitada. “Por que essa lei não pode servir para outras pessoas? Essas vítimas merecem menos atenção que outras pessoas vítimas de violência?”, questionou.

Prioridade à Educação

O governador Carlos Moisés reforçou em reunião com o colegiado estadual nesta quarta-feira, 12, que Santa Catarina pretende priorizar a vacinação dos profissionais da Educação dentro do próximo grupo prioritário. De acordo com o Censo Escolar (Inep), a estimativa é que 195 mil professores e demais profissionais das instituições de ensino Básico e Superior poderão ser imunizados. “Nossos professores estão em sala de aula desde o dia 18 de fevereiro, diferente até de outros estados”, frisou Carlos Moisés. O secretário Luiz Fernando Vampiro, afirma que a inclusão dos profissionais da área entre os grupos prioritários de vacinação é importante para dar continuidade ao atendimento presencial dos estudantes.

Zimbros

A deputada estadual Paulinha (PDT) assegurou investimentos de R$ 10.845,377 milhões para a aguardada obra de pavimentação do Morro de Zimbros, que liga Bombinhas a Porto Belo, na região da AMFRI. Nesta quarta-feira (12) na Prefeitura de Bombinhas, e ao lado do prefeito Paulinho Muller (PTB) e vereadores, ela entregou a ordem de serviço. “É uma conquista de todos nós. Minha gratidão ao governador Carlos Moisés e ao secretário Tiago que foram sensíveis a essa causa para a nossa região”.

Enfermeiros

O deputado federal Hélio Costa (Republicanos) fez um discurso em defesa dos profissionais da área de enfermagem no plenário da Câmara dos Deputados. O parlamentar destacou a importância do trabalho dos técnicos, auxiliares e enfermeiros durante o combate à pandemia e a necessidade de valorização da categoria. “Eles são heróis, mas antes foram marginalizados. O SUS estava abandonado. A classe está sofrendo há muitos anos.” O deputado classificou como “meritório” o projeto de lei que cria um salário base nacional aos profissionais da área.