PSDB vai de Merísio para 2022

Cúpula tucana se reúne em Joaçaba e crava nome do ex-presidente da Alesc para disputar o governo do estado nas próximas eleições.

Estavam na reunião no gabinete do prefeito Dioclésio Ragnini: o ex-Senador da República Dalírio Beber, o prefeito de Criciúma e ex-Deputado Estadual Clésio Salvaro, o ex-Deputado Estadual Gelson Merísio, o prefeito de Xanxerê Oscar Martarello, ex-Deputado Estadual Gilmar Knaesel e o Ex-Governador de SC, Leonel Pavan. Foto: Divulgação/Prefeitura de Joaçaba

Rodrigo Leitão
jornalismo@raizesdiario.com.br

Reunida em Joaçaba na última segunda-feira, dia 3 de maio, a cúpula tucana de Santa Catarina definiu que o candidato do PSDB ao governo do estado em 2022 será o ex-deputado e ex-presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, Gelson Merísio. Ele já vinha se apresentando oficialmente como pré-candidato e, apesar de sua participação na administração interina de Daniela Reinher (sem partido), o que contrariou a cúpula tucana, acabou tendo seu nome confirmado.

A presidente estadual do PSDB, deputada federal Geovânia de Sá, já estava articulando com as Executivas nacional e estadual, para definir logo um nome de consenso e que pudesse servir de palanque em Santa Catarina para o candidato tucano à presidência da República – provavelmente, o governador de São Paulo, João Dória. O próprio Merísio já vinha costurando sua candidatura e conta também com o apoio do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro.

ALIANÇAS
Na Cúpula de Joaçaba, ficou apalavrado que haverá uma consulta a outros partidos para compor a chapa tucana e não está descartada uma aliança com o PSL, o que muitos não acreditam ser possível. Esse acordo seria uma forma de tentar esvaziar a candidatura do senador Jorginho Mello (PL) na região Meio-Oeste.

Na reunião, ocorrida no gabinete do prefeito Dioclésio Ragnini, em Joaçaba estavam: o ex-Senador da República Dalírio Beber, o prefeito de Criciúma e ex-Deputado Estadual Clésio Salvaro, o ex-Deputado Estadual Gelson Merísio, o prefeito de Xanxerê Oscar Martarello, ex-Deputado Estadual Gilmar Knaesel e o Ex-Governador de SC, Leonel Pavan.

Os tucanos catarinenses apostam no fracasso de Jorginho nas eleições do ano passado, quando o senador não conseguiu eleger nem o prefeito de Herval D’Oeste, sua cidade natal, nem o de Joaçaba, sua base política. Ficou apenas com a vice-prefeitura de Herrval D’Oeste. Mas os adversários consideram este um mérito do próprio prefeito Mauro Martini e não do senador hervalense. Na Região da Associação dos Municípios do Meio-Oeste Catarinense (AMMOC), O PL, partido do senador, conquistou apenas as prefeituras de Água Doce e Luzerna (Confira quadro com municípios, partidos e prefeitos, abaixo).

DISPUTA ACIRRADA
Raposa velha na política, apesar de pouco tempo de estrada nacional em relação aos figurões da corte, em Brasília, Jorginho Mello tem sido astuto no desejo de se tornar o novo governador catarinense. Sem afirmar abertamente, mas já sabido nos bastidores do poder no Congresso Nacional, Jorginho joga com a possibilidade de atrair o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para  o seu partido, o PL. Assim, o senador atravessaria uma composição pesselista de Gelson Merísio. Não podemos esquecer que Bolsonaro obteve 90% dos votos em SC, quando disputou o segundo turno presidencial. No Meio-Oeste e Oeste do estado, esse percentual beirou 92%.

Um passo largo para atrair Jair Bolsonaro para o PL foi dado recentemente por Jorginho Mello, quando abandonou a CPI da Chapecoense para integrar a “Tropa de Choque” do Planalto na CPI da Covid-19. Além disso, desde outubro do ano passado, Jorginho Mello vem atuando como vice-líder do Governo no Senado, quando o então ocupante da função, Chico Rodrigues (DEM-RR), foi surpreendido pela Polícia Federal com R$ 30 mil na cueca e outros R$ 100 mil em sua casa, em Boa Vista. A operação apurava desvios de recursos públicos destinados ao combate à covid-19, oriundos de emendas parlamentares.

JOAÇABA
Uma possível eleição de Gelson Merísio para o governo do estado é benéfica para Joaçaba. Na avaliação dos tucanos locais, isso fortaleceria o município já que o prefeito Dioclésio Ragini também é do PSDB.

Mas há uma terceira via que preocupa tanto os tucanos quanto a Jorginho Mello: Gean Loureiro (DEM). O prefeito de Florianópolis, até o momento, é o nome com maior aprovação popular em pesquisas internas realizadas pelo Democratas.

REGIÃO DA AMMOC

Partidos
MDB – 5 Prefeitos (41%)
PSDB – 3 Prefeitos (25%)
PL – 2 Prefeitos (16%)
PP – 2 Prefeitos (16%)
DEM – 1 Prefeito (0,8%)

Prefeitura
Água Doce – Nelsci (PL)
Catanduvas – Dorival (MDB)
Capinzal – Dorini (MDB)
Erval Velho – Tio Seve (PP)
Herval D’Oeste – Mauro Martini (PP)
Ibicaré – Gianfranco Volpato (MDB)
Joaçaba – Doclésio (PSDB)
Lacerdópolis – Sérgio (MDB)
Luzerna – Juliano (PL)
Ouro – Claudir Duarte (PSDB)
Treze Tílias – Rudi (DEM)
Vargem Bonita – Rosamarcia (MDB)