Construção civil já vive a 4ª Revolução Industrial

Tecnologia está sendo cada vez mais utilizada por empresas do setor para garantir economia, segurança, agilidade, precisão e, principalmente, evitar desperdício.

Fruto da quarta revolução industrial, o uso de tecnologia na construção civil é capaz de elevar a produtividade e competitividade do setor. Seguindo o conceito de indústria 4.0, essa tendência incorpora inovações no dia a dia dos trabalhadores, que passam a lidar com novos conceitos.  Como esse segmento pertence ao ramo da engenharia, é natural que seja bastante influenciado por invenções e inovações tecnológicas. Muitas organizações estão investindo em pesquisa. Essa prática é comum desde o surgimento dessas instituições, mas ganhou velocidade com a era da globalização e, mais recentemente, com a quarta revolução industrial.

Responsável pelo surgimento da indústria 4.0, a quarta revolução industrial nada mais é do que a continuação de um processo de aprimoramento da tecnologia ou, especificamente, das máquinas.  O uso da tecnologia é um fator essencial para conferir eficiência às atividades de produção na construção civil. As inovações tecnológicas são aliadas na solução de um dos maiores problemas do setor: o desperdício.

Investir em tecnologia gera construções de maior qualidade, erguidas através de projetos ágeis e com custo reduzido. Apostar no monitoramento de processos utilizando o BIM (Building Information Modeling), por exemplo, representa vantagens como com a integração de todas as áreas, equipes e etapas de um projeto numa única plataforma, entre outras.

DIGITAL TWINS
Desenvolvidos no ambiente do processo de modelagem BIM, os digital twins correspondem a representações virtuais de itens reais, sendo criados a partir dos dados desse objeto ou sistema. Uma de suas grandes vantagens é que esses dados podem ser inspirados em padrões similares para simular o desempenho de uma edificação que está sendo planejada. Com base em informações de outras construções parecidas, arquitetos, engenheiros e técnicos podem prever e avaliar as funcionalidades da estrutura, adaptando planta, materiais e processos para obter o máximo de eficiência.

IMPRESSÃO 3D
Em fevereiro de 2020, um prédio construído em Dubai chamou a atenção do mundo. Com dois andares, a edificação é a maior já feita com impressora 3D, gerando uma economia de US$ 400 mil em mão de obra, já que foi necessário contar com apenas três funcionários no canteiro. Paredes e teto foram impressos por meio de prototipagem rápida e, em seguida, movidos por um guindaste para erguer o edifício, que tem 640 metros quadrados de área e 9,5 metros de altura. Com exceção das fundações, o prédio foi construído com uma mistura de compostos reciclados, cimento e gesso.

BIOCONCRETO
Também conhecido como concreto inteligente ou concreto vivo, o bioconcreto foi pensado como solução para as rachaduras no concreto, comuns depois de algum tempo de uso. Questionado sobre a possibilidade de utilizar bactérias que consertassem o concreto, o professor Henk Jonkers, da Universidade de Tecnologia de Delft, na Holanda, iniciou pesquisas a respeito, em 2006. Três anos mais tarde, Jonkers e sua equipe apresentaram o bioconcreto, que consiste em uma mistura bastante parecida com o material convencional, porém, com agentes de cura.

DISPOSITIVOS MÓVEIS
Smartphones, tabletes e notebooks também são relevantes para a comunicação dentro do canteiro de obras, além de organizar os dados com eficiência. Munidos de aplicativos e outros sistemas digitais, esses aparelhos diminuem a burocracia ao viabilizar a edição e compartilhamento de arquivos a partir de qualquer local, sem que seja preciso ir até o escritório da empresa.

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL
Atualmente, os robôs usados em diferentes indústrias são cada vez mais sofisticados. Alguns possuem a capacidade de tomar decisões de modo autônomo e até aprender as tarefas, através do processo chamado machine learning. É por isso que a inteligência artificial é uma das grandes tendências dentro dos canteiros de obras.

REALIDADE AUMENTADA
O emprego da realidade aumentada na construção civil faz a diferença nos projetos, que podem ser demonstrados com facilidade por meio dessa tecnologia. Basta os arquitetos usarem softwares que expressem desenhos nesse formato, permitindo a correção de possíveis erros – e economia – antes de se erguer a edificação.

MÁQUINAS AUTOMATIZADAS
Controlados a distância por funcionários qualificados, esses equipamentos agregam agilidade e segurança aos processos, produzindo itens em grande escala. Um exemplo clássico é a substituição de mão de obra por robôs nas tarefas operacionais repetitivas, como apertar parafusos.

 

Fonte: Fundação Instituto de Inovação – FIA.