Arma usada em creche é uma “espada ninja” igual a dos samurais de video game

Foto: Willian Ricardo/ND

Crianças mortas não tinham dois anos de vida. Fabiano Kipper Mai chegou a ferir quatro bebês, mas um sobreviveu. Suas primeiras palavras após os crimes foram “matei cinco, né?”

Sarah Luiza Mahle Sehn, Murilo Missing e Anna Bela Fernandes de Barros – Foto: Reprodução de Redes Sociais

Parece filme de ficção, mas foi realidade pura a reação do jovem Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, que invadiu uma creche em Saudades, no Oeste catarinense e executou friamente três crianças e duas professoras: “Matei cinco, né?”. O diálogo ocorreu no interior da ambulância que o conduzia para um hospital em Pinhalzinho, município vizinho, após o suspeito atentar contra a própria via. Ele feriu cada vítima com pelo menos 5 golpes, segundo o Instituto Geral de Perícias (IGP).

Na manhã desta terça-feira, dia 4 de maio, Fabiano invadiu a escola infantil Pró-Infância Aquarela, em Saudades, portando uma espada Ninja, igual a utilizada por personagens de jogos virtuais da internet. Sem nenhuma razão aparente, ele esfaqueou duas professoras e três crianças. A escola conta com cerca de 80 crianças em idade entre 2 meses e 6 anos. Todos os outros alunos foram salvos.

Entre as vítimas fatais estão três crianças, todos bebês com menos de 2 anos. São elas: Sarah Luiza Mahle Sehn (1 ano e 7 meses); Anna Bela Fernandes de Barros (1 ano e 8 meses) e Murilo Missing (1 ano e 9 meses), conforme confirmações do Instituto Geral de Perícias (IGP). A professora Keli Adriane Anieceviski, de 30 anos, e a agente educativa, Mirla Renner, de 20 anos, foram as outras vítimas. Os corpos foram deslocados até o HRO, em Chapecó, onde passaram por perícia.

BICICLETA
Fabiano chegou de bicicleta na escola, por volta das 10h. Segundo informou o delegado de Pinhalzinho, Jeronimo Marçal Ferreira, responsável pelo caso, ele portava o que parecia ser uma faca grande, mais tarde identificada pela polícia como sendo uma “espada ninja” conhecida como Katana, tradicional espada japonesa usada pelos samurais.

Quando invadiu a escola, Fabiano entrou em uma sala de aula e desferiu espadadas contra quatro crianças e as duas professoras. Um menino sobreviveu e socorrido por uma professora que mora na casa em frente a creche. Ele foi transferido ao Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, que fica a 75 quilômetros de distância de Saudades.

De acordo com o pai, o menino de 1 ano e 8 meses sofreu ferimentos no rosto e no tórax. O garoto foi operado e está na UTI, em Chapecó, em estado grave.

Keli Adriane Anieceviski, de 30 anos, e a agente educativa, Mirla Renner, de 20 anos. Foto: Reprodução/Redes Sociais

O restante dos alunos, crianças e bebês, foram salvos pelas demais professoras. Eles se trancaram em outras salas da escola. Fabiano Kipper Mai foi contido dentro do prédio pelos vizinhos que ouviram os gritos e seguiam para o local para socorrer as vítimas. Neste momento, ele tentou se matar.

Fabiano Kipper Mai não tem antecedentes criminais. Foto: Reprodução

ESCOLTA
De acordo com o delegado, o suspeito não tinha ligação com as vítimas. A polícia vai investigar os equipamentos eletrônicos de Fabiano, por meio de uma perícia para buscar a motivação desse crime. “Ele não tem histórico policial”, explicou o delegado.

Jeronimo Marçal Ferreira disse que Fabiano tinha um perfil quieto e não costumava sair muito de casa.  Na residência dele, a polícia encontrou um computador, que deverá ser analisado, embalagens de facas e cerca de R$ 11 mil em dinheiro. “A gente espera que ele sobreviva para que responda por esse crime que cometeu”, declarou delegado. Ele disse, ainda, que o rapaz está sob escolta policial no hospital, em estado grave.

Com informações do G1 SC, ND+, Oeste Mais e Canal Ideal