Mais de 300 vereadores de SC devem se reunir em Florianópolis em plena pandemia

Divulgação/Uvesc

Congresso Estadual que congrega os parlamentares municipais está programado para os próximos dias 14 a 16. Inscrição varia de R$ 420, para sócios, a R$ 680 para os não associados à União dos Vereadores de Santa Catarina (Uvesc). E é paga pelas Câmaras Municipais por meio de diárias.

Uma conferência anual que reúne os parlamentares municipais dos estado de Santa Catarina está programada para ocorrer entre os próximos dias 14 e 16 de abril, em Florianópolis. O evento, que está sendo criticado por vários prefeitos e membros do governo do estado, por ser realizado no momento mais crítico da pandemia de coronavírus em SC, é promovido pela União dos Vereadores de Santa Catarina (Uvesc), mas não abraça a totalidade dos legislativos municipais.

A conferência é promovida pela União dos Vereadores de Santa Catarina (Uvesc) e já foi adiado este ano. A data original era de 24 a 26 de março, mas foi alterada devido à pandemia. Por causa do colapso no sistema de saúde e as medidas de restrição editadas pelo governo estadual, já que congressos estão proibidos por decreto da governadora, há ainda a possibilidade de o encontro ser novamente adiado.

Apesar desta situação, a expectativa da organização do evento é de que nesta segunda-feira, dia 12, a govenadora Daniela Reinehr alivia as medidas de restrição. “Se as regras forem reeditadas, vamos prorrogar”, garantiu o superintendente da Uvesc, Ilmar Dalla Costa.

Para participar do evento, cada vereador vai pagar uma taxa de R$ 420 (sócios) e R$ 680 (não sócios). Este é custo é coberto pelas câmaras municipais por meio de diárias. O  superintendente da Uvesc justifica o encontro presencial. Ele argumenta que o congresso não poderia ser feito online porque isso não está previsto no estatuto da entidade.

Segundo Dalla Costa, o encontro serve para orientar os novos vereadores sobre o trabalho legislativo e o papel do parlamentar. Entre os palestrantes convidados estão o senador Jorginho Mello (PL) e o deputado Altair Silva (PP), que deixou a Alesc para assumir a Secretaria de Estado da Agricultura.