Vírus Econômico x Vírus Biológico

Por Valdenir Menegat (Nico), da Contassesc

Em nossa revista, terceira edição, há uma matéria chamada Darwin nas organizações. A teoria Darwiniana diz que o ambiente está em constante mutação e sobrevive aquelas espécies que melhor se adaptam. Não é a mais forte que prospera, mas aquela que melhor se adapta às mudanças.

Pois bem, o Coronavírus trouxe profundas mudanças no comportamento das pessoas e na economia mundial. Traçando um paralelo comparativo, o vírus é mais agressivo para aquelas pessoas acima de 60 anos, que já apresentem um quadro de saúde mais comprometido. No mundo todo é assim, 80% dos mortos tem mais de 60 anos e apresentam alguma debilidade na saúde como diabetes, hipertensão ou cardíaco.

Percebam que o vírus se aproveita de um organismo debilitado e então age com força levando o hospedeiro ao óbito.

O vírus econômico segue a mesma lógica, todas as empresas sofrerão, terão algum prejuízo, umas mais outras menos, mas todas, sem exceção irão sofrer os efeitos de uma economia em recessão.

Há empresas que tem uma gestão mais conservadora, precavida, formaram seu capital de giro próprio, tem um caixa que permite passar por essa crise com sequelas mais brandas. Porém, há um contingente expressivo que não se prepararam, essas irão sofrer bastante, algumas não sobreviverão.

Da mesma forma que o Coronavírus causa estrago em corpos debilitados, o vírus econômico causará estragos em empresas combalidas, que já tinham uma gestão temerária e não se prepararam, não aproveitaram os tempos de “vacas gordas” para se proteger. Agora terão que depender de ajuda externa e se entubar em recursos de terceiros e, quem sabe, mudar o comportamento para sair dessa crise mais fortes.

LIÇÕES
Toda crise é uma oportunidade, que seja essa também. Que possamos sair mais fortalecidos, mais sábios, melhores pais, mães, filhos, e empresários ao final disso tudo. Que seja esse um momento de reflexão sobre nossas ações como pessoas, como empregadores ou empregados. Se evoluirmos o preço não terá sido alto. Sejamos parte da espécie que sabe lidar com crise, seja ela humanitária ou econômica e ainda assim sair dela mais fortalecidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *