RealizAção: Como anda seu nível de ansiedade? por Isabela Mitterer

Tensão, dores de cabeça, problemas digestivos, pressão arterial oscilante, tonturas, pensamento acelerado, dor no peito, coração acelerado, sensação de falta de ar, irritabilidade, dificuldade para dormir, cansaço, diarreia, sensação de descontrole e medo, perfeccionismo e controle excessivos, preocupação excessiva com o futuro, que parece catastrófico.

Se, ao ler, você foi se identificando com vários sintomas dessa lista, é possível que você esteja em um estado – maior ou menor –  de descontrole da sua ansiedade.

A ansiedade é um mecanismo de defesa: ela adapta o nosso corpo e a nossa mente ao ambiente. Quando ela se encontra controlada, ela não é uma inimiga: ela nos inquieta o suficiente para nos tirar do lugar. Sua origem remonta aos primórdios da humanidade: nossos ancestrais tinham essa reação frente a percepção de perigo. Carregamos registros neurobiológicos dos medos e ansiedades dos nossos ancestrais.

Quando estavam frente a um tigre dente-de-sabre, por exemplo, seu cérebro reagia, seu sistema límbico, que é uma parte mais primitiva e instintiva do nosso cérebro (responsável pelas emoções) identificava e reagia ao perigo: “CUIDADO!”. Seu hipocampo (responsável pela memória) e córtex pré-frontal (responsável pelo raciocínio) classificavam a situação e criavam uma reação de defesa “PERIGO, VOCÊ TEM QUE SE MEXER”, liberando, entre outras substâncias, cortisol e adrenalina, que faziam aumentar a glicose do organismo, preparando-o para lutar ou fugir.

Com o passar do tempo, nosso cérebro foi evoluindo e desenvolvemos novos mecanismos de previsão de perigos – sejam reais ou imaginários.

A ansiedade tem relação direta com o medo, que é sua emoção-raiz. O medo é a consciência de uma situação ameaçadora. A ansiedade é a antecipação do medo, a previsão de um futuro – que pode ou não acontecer (como um radar de perigos). A angústia, por sua vez, é a ansiedade com sintomas físicos. E o estresse é a ansiedade crônica.

A longo prazo, um organismo estressado pode desenvolver outros efeitos adversos, como por exemplo, queda de cabelo, diminuição do sistema imunológico, morte de neurônios, problemas de memória e concentração, piora em quadros de diabetes e hipertensão.

Os sintomas da ansiedade podem ser físicos ou emocionais e, muitas vezes, ela é confundida com outras doenças. Por isso é importante ter um acompanhamento completo de sua saúde por profissionais competentes – seja física ou emocional.

Para entender os gatilhos para a reação desadaptativa de ansiedade, pergunte-se: em que situações eu fico mais ansioso(a)? Quais os meus principais medos? Como eu reajo quando estou ansioso(a), o que me acalma? E frente a qualquer dificuldade de responder a estas perguntas ou de lidar com a ansiedade e seus efeitos, procure ajuda!

Isabela Mitterer Berkembrock
Psicóloga CRP 12/10872
Life Coach
Mestra em Educação
Especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho
Idealizadora do Programa RealizAção
E-mail: isamitterer@hotmail.com
Telefone: (49) 98437-9064

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *