Coluna Pelo Estado – Quase 4 mil famílias não retiraram cartões do SC Mais Renda

Foto Arquivo/Secom

As prefeituras de Santa Catarina têm um desafio. Encontrar pessoas ligadas a 3.961 famílias que têm o direito a receberem os recursos destinados pelo programa SC Mais Renda, mas que até o momento não desbloquearam os cartões e, assim, não têm acesso aos R$ 900, pagos em três parcelas de R$ 300 (a última liberada este mês). O programa foi criado pelo Governo do Estado como suporte financeiro para famílias em vulnerabilidade social que não receberam nenhum auxílio federal ou que perderam o emprego e fonte de renda durante a pandemia. A secretária adjunta da Fazenda, Michele Roncalio alerta que o prazo para a retirada do dinheiro referente a cada parcela é de 90 dias. Ou seja, quem não fizer agora, perde a primeira parte. As 10.371 famílias participantes do SC Mais Renda, validadas até agosto, estão em 285 municípios catarinenses. Destas cidades, 69 já entregaram todos os cartões disponíveis. Há sete cidades onde nenhum cartão foi retirado: Iomerê, Witmarsum, Bom Jesus do Oeste, Cordilheira Alta, Rio Rufino, São Bonifácio e Águas Mornas.

A região com melhor desempenho na entrega dos cartões é o Planalto Norte. Dos 263 disponíveis, 198 chegaram aos seus beneficiários, o que corresponde a 75,2%. Percentual semelhante é encontrado também no Extremo-Oeste, onde 74,5% dos cartões foram retirados. Já o pior desempenho é na região da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (Amfri), onde apenas 48% foram desbloqueados. Florianópolis é o município com maior número de cartões não retirados. Dos 1.305 cartões disponibilizados, 627 ainda não foram repassados.

As inscrições estão disponíveis até 30 de setembro. Podem se inscrever trabalhadores que perderam vínculo formal de emprego entre 19 de março de 2020 e 1º de maio de 2021 em empresas dos setores contemplados pelo programa, desde que morem em Santa Catarina e não tenham recebido auxílio do Governo Federal, nem seguro-desemprego.

Foto Divulgação

MDB 1

Em reunião da executiva estadual e bancada estadual previstas para a próxima semana, os líderes emedebistas discutem os avanços das conversas sobre a composição da chapa à majoritária. A informação inicial de que o prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli seria o candidato a governador, com Celso Maldaner de vice e Dário Berger ao Senado ainda não está confirmada. “Vamos levar as conversas para nossa executiva e bancada, prevalecendo sempre a voz da maioria”, destaca o presidente da silga, Celso Maldaner.

MDB 2

O senador Dário Berger, no final da tarde desta terça, emitiu nota: “NÃO HÁ DEFINIÇÃO DE CANDIDATURA do MDB a governador, muito menos de vice e senador. Não há um pingo de verdade nisso. Na condição de pré-candidatos do partido, estamos analisando os cenários e fortalecendo o diálogo na busca de um entendimento e construção de um projeto político viável e que atenda as expectativas de Santa Catarina e dos catarinenses. Reitero: NÃO EXISTE DEFINIÇÃO ALGUMA e, quando a decisão for tomada (…)às lideranças e às bases emedebistas, estes serão os primeiros a saber. Portanto, as notícias que circulam com essas afirmações, NÃO PROCEDEM, SÃO FALSAS!”

Ceasa, 45 anos

A Ceasa/SC será homenageada nesta quarta-feira (29) em ato solene na Alesc por conta dos seus 45 anos de fundação. A companhia tem 3 unidades (Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e Sul do Estado). Só na sede, em São José, tem 2 mil empregos diretos e movimenta mais de 330 mil toneladas de produtos comercializados. O ato solene foi proposto pelo deputado estadual e presidente da Comissão de Agricultura da Alesc, Zé Milton Scheffer. Será às 19h, no Plenarinho Paulo Stuart Wright.

Carvão Mineral

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) deu parecer favorável ao PL 270/2021, de autoria do governador do Estado, que visa instituir a Política Estadual de Transição Energética Justa. O texto também prevê a criação do Polo de Transição Energética Justa do Sul do Estado de Santa Catarina, com foco na região carbonífera, em especial nos municípios de Capivari de Baixo, Imbituba, Jaguaruna, Orleans e Tubarão. Serão criados dois programas específicos, um voltado à economia (Prosul/SC) e outro à recuperação ambiental de áreas degradadas (Pradsul/SC).