Coluna Pelo Estado – Ato de Moisés na Alesc valoriza professores e profissionais da segurança pública

Foto Agência AL

O governador Carlos Moisés (PSL) foi pessoalmente à Assembleia Legislativa nesta quinta-feira, 8, entregar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) e o Projeto de Lei Complementar (PLC) que tratam, respectivamente, da remuneração mínima de R$ 5 mil aos professores que possuam ensino superior e da recomposição salarial aos servidores da segurança pública, que terá uma remuneração mínima de R$ 6 mil, a partir do segundo semestre de 2022. O ato histórico valoriza duas categorias que sofrem ao longo dos anos com defasagens, aos mesmo tempo em que ocupam papéis chaves no desenvolvimento do estado.

“A valorização do trabalho dos professores é fundamental para a qualidade do ensino em Santa Catarina. São eles os grandes agentes de transformação e formação das gerações. O Governo do Estado hoje trata a educação como prioridade, com investimentos históricos”, disse Moisés no Palácio Barriga Verde. “Santa Catarina tem, atualmente, a melhor segurança pública do Brasil, por isso é justo que tenhamos os profissionais com a melhor remuneração também”, completou. Os projetos foram entregues ao presidente da Alesc, deputado Mauro de Nadal (MDB), em evento que contou ainda com a presença de parlamentares, secretários e os responsáveis pelas forças de segurança.

Pela proposta, a remuneração mínima de R$ 5 mil será para professores com curso superior e jornada de 40 horas semanais. A medida deve beneficiar 12.252 servidores ativos, 10.119 inativos e 26.484 admitidos em caráter temporário (ACTs), totalizando 48.858 professores, 63,9% do Magistério Público Estadual. Na área da segurança pública, o governo propõe recomposição salarial aos policiais militares e civis, bombeiros militares e peritos. O investimento do Estado chegará a R$ 650 milhões, em 2022. Dois pontos positivos de Moisés.

Foto Divulgação

BUCICASSAURO

A terça-feira, 6, foi marcada pela grande mobilização em prol da vacinação em Florianópolis. Com mais de mil profissionais envolvidos, o “Vacinaço”, como foi definido pelo prefeito Gean Loureiro (DEM), aplicou 18.583 doses contra o novo coronavírus em pessoas com 40 anos ou mais. Seguindo o bom humor ilhéu, um morador da Capital foi fantasiado de dinossauro, apelidado de “Bucicassauro” em referência à “bucica”, como são chamadas as cadelas pela manezada. Um toque de humor num dia histórico. Nesta sexta (9) e neste sábado (10) tem mais.

MOBILIZAÇÃO DOS PRAÇAS

Comitiva da Associação de Praças do Estado de Santa Catarina (Aprasc), liderada pelo presidente João Carlos Pawlick, reuniu-se nesta quinta-feira, 8,0 com o presidente da Assembleia Legislativa, Mauro De Nadal, e com o Chefe da Casa Civil, Eron Giordani, para defender uma reposição inflacionária igualitária para todos os praças. O projeto de lei complementar que concede o reajuste já está na Alesc e começará a ser debatida pelos deputados. Uma mobilização dos Praças para a próxima semana está preparada caso o projeto da requerida entre na pauta da CCJ. Segundo o projeto, todos os sargentos do chamado quadro especial podem pedir para ir para reserva recebendo como subtenente.

ESCOLA DE LÍDERES

A deputada Paulinha está no Rio de Janeiro para celebrar o termo de cooperação entre a Escola de Líderes da Assembleia Legislativa e a Funrio, uma das bancas mais qualificadas de concurso do país. “Esse ato vai representar um incremento de novos cursos gratuitos para a nossa Escola de Líderes”, anunciou.
Atualmente, a Escola de Líderes está com o curso “ Como Captar Recursos a Fundo Perdido” em andamento. A parlamentar destaca que todos os cursos ofertados são gratuitos. Para maiores informações basta acessar o endereço www.escoladelideressc.com.br

PEDOFILIA
Em 2019 foram registrados no estado 1.107 boletins de ocorrência por estupro de vulnerável (cometidos contra pessoas entre 0 e 14 anos), número que caiu para 1.042 em 2020, e para 973 em 2021. Apesar de indicarem um fato positivo, os dados sugerem que o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 impediu as denúncias. O alerta foi apresentado nesta quinta-feira, 8, na Alesc, em mesa-redonda que reuniu profissionais de diversas áreas que compõem a rede de proteção à criança e ao adolescente em Santa Catarina.