Um supercarro de R$ 35,5 milhões

Bugatti homenageia o EB110 com versão de 1.600 cv. O Centodieci (110) será produzido em apenas 10 unidades e comprador terá de ter paciência, porque elas só serão entregues em 2021

O mundo dos superesportivos é feito de homenagens. A Bugatti pertencia ao italiano Romano Artioli quando lançou o EB110, em 1991. A explicação do nome do modelo é simples: “EB” vem das iniciais do patrono da marca, Ettore Bugatti, e 110 é uma referência à idade que estaria fazendo naquele momento, 110 anos.

Sua proposta era a de ser o supercarro mais fantástico da sua época, tal qual o Veyron conseguiu e o Chiron tenta ser. Seu motor era um V12 3.5 com quatro turbos e gerava 561 cv e 62,2 mkgf de torque. Ia de 0 a 100 km/h em 3,6 segundos e atingia máxima de 343 km/h. Foi o suficiente para garantir o posto de carro mais rápido do mundo até o lançamento do McLaren F1.

Vinte e oito anos separam o EB110 do Centodieci, criado justamente para homenagear o EB110. Na prática, transformaram o Chiron em uma releitura moderna do velho Bugatti.

Os faróis não são escamoteáveis, mas também estão em posição elevada As tomadas de ar dianteiras horizontais não são retas, mas estão ali.

Já as entradas de ar na base das portas e as cinco entradas atrás das portas estão fielmente reproduzidas no Centodieci, assim como a grade dianteira em forma de ferradura.

As lanternas traseiras, que no carro original eram pequenas, vão de ponta a ponta do carro em sua recriação. Pelo menos tentaram recriar os efeitos de seus elementos internos.

O motor, por sua vez, revela como a indústria automotiva avançou em quase três décadas. O W16 8.0 que começou sua vida no Veyron sofreu mais um ganho de potência, passando de 1.500 para 1.600 cv.

Isso se traduz em uma aceleração de zero a 100 km/h em 2,4 segundos. Em 6,1 segundos, rompe os 200 km/h. Em 13,1 s, passa dos 300 km/h. A velocidade máxima é de 380 km/h.

Houve outros esforços para alcançar estes números. A redução de peso em 20 kg na comparação com o Chiron vem de ações inusitadas, como a troca dos limpadores convencionais por peças feitas de fibra de carbono.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *