Filha que mandou matar os pais, em Herval, pega 46 anos de cadeia


Da Redação

Um dos mais complexos julgamentos da história de Herval d’Oeste terminou na madrugada desta sexta-feira, por volta das duas horas da manhã, com a condenação de Cleucimar de Fátima Cardoso Bello Vissoto a 46 anos de prisão. Seus três comparsas no crime, Valdecir Pelentir, Felipe Pelentir e Vanderson Delsiovo Cruz, também foram condenados. O juiz Ildo Fabris Junior também aumentou a pena de três deles por indução do juízo a erro.

O julgamento se deu no Auditório Jurídico da Unoesc, em Joaçaba, que foi emprestado ao juizado de Herval d´Oeste para os trabalhos. Otávio Bello, de 68 anos, vítima sobrevivente, iniciou os depoimentos. Sua fala norteou todo o julgamento, dada a emoção da narrativa e pela crueldade relatada.

Ele falou sobre as cenas de horror que viveu naquela madrugada. Contou que os três homens invadiram a casa do casal, na Linha Santa Terezinha (Gaúcho) e os rendeu, degolando os dois em seguida. Os supostos assaltantes deixaram o local levando apenas uma espingarda. Lucila Bello, de 59 anos, morreu no local, já Otávio Bello, 67 anos na época, foi encontrado perto da porta de entrada da casa, socorrido com vida e sobreviveu.

SENTENÇAS
Três dos quatro réus foram condenados por homicídio (Cleucimar, Valdecir e Vanderson) e não poderão recorrer em liberdade, direito negado pelo Juiz Ildo Fabris Junior.

Cleucimar de Fátima foi condenada como a mandante do crime. A sentença foi de 46 anos e 8 meses de prisão, em regime fechado, “por homicídio qualificado, com a qualificadora de motivo torpe, desprezível e por não ter dado chance de defesa a vítima.” E, por ter induzido o juiz a erro, terá acréscimo de 10 meses e 14 dias, em regime inicialmente aberto.

Valdecir Pelentir teve a mesma pena de Cleucimar de Fátima, incluindo a qualificadora de usar meio cruel para matar a vítima e por tentativa de homicídio contra Otávio. A pena foi aumentada ainda em um ano por também tentar induzir o juízo ao erro.

Vanderson Delsiovo Cruz vai cumprir a mesma pena dos outros dois, acrescida de mais um ano também por tentar induzir o juízo ao erro.

Felipe Pelentir foi condenado apenas pelo furto da espingarda que estava na casa das vítimas. Cumprirá seis meses e 20 dias de prisão, em regime aberto.

RELEMBRE O CASO
O casal teve a residência invadida na madrugada de sábado, 31 de março de 2018. A PM foi acionada por volta da 1h15min, e quando chegou, encontrou Otávio deitado no chão, próximo à porta de entrada, com ferimento no peito e um corte profundo no pescoço. Em um dos quatros estava Lucila, também com um corte no pescoço, já sem vida. O idoso conseguiu relatar que duas ou três pessoas entraram na casa ordenando que não olhassem para seus rostos. Após praticarem o crime, eles fugiram levando uma espingarda. O agricultor foi socorrido pelos bombeiros e encaminhado ao Hospital Universitário Santa Terezinha (Hust) de Joaçaba. A PM disse que a porta da residência tinha sinais de arrombamento, tendo poças de sangue, inclusive na janela, onde a vítima conseguiu pedir ajuda aos vizinhos. Na casa de um dos suspeitos foram apreendidas uma arma e a faca que teria sido usada para cometer o homicídio e a tentativa de homicídio. “Os dois que confessaram disseram que a filha prometeu que iria acertar com eles os valores depois que ela recebesse a herança. Mas não comentaram quanto”, disse, à época, o delegado falou o delegado Eduardo Borges, responsável pelo inquérito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *