Ponto de Encontro, por Adão Jair Florencio

A UM PASSO DE SI MESMO

As vezes nos perdemos

nos labirintos apocalípticos

do teatro da existência,

por descuido, ociosidade ou estultice…

Perdemo-nos dos nossos entes queridos

dos nossos labores,

dos nossos sabores, amores

e o que é pior,

perdemo-nos de nós mesmos!

É possível que nós, seres humanos, que nos dizemos racionais,

adentremo-nos no abstratismo do nosso próprio eu?

Vivemos enclausurados em um mutismo dogmatizado

por nós…

Por quê?

Talvez porque a humanidade

caminha para a eclosão neurastênica, psicótica total,

e nós, sem termos um verdadeiro amigo para desabafar

nossos traumas e angústias, nos enclausuramos,

nos entregando ao Morfeu fleumático!

Outras vezes penetramos no túnel do faz-de-conta e fantasiamos

nossos recalques num último apelo à nossa mente, para que ela

nos conduza à realidade concreta.

Que nossas fantasias que queremos, sejam reais, realmente sejam…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *