Hoje é dia da Pizza: Confira nosso ESPECIAL!

    
A redonda mais gostosa do mundo faz aniversário nesta terça-feira. Na verdade não é bem um aniversário, mas sim uma data criada em 10 de julho de 1985, para celebrar o prato mais saboreado no mundo. O Dia da Pizza surgiu após um concurso em São Paulo, que escolheu a melhor redonda do Estado. A data foi instituída pelo então Secretário de Turismo de São Paulo, Caio Luís de Carvalho, devido ao sucesso do concurso. Na época, foram julgadas apenas as pizzas de muçarela e Margherita, as duas receitas mais tradicionais.

Formato atual surgiu num concurso

Rodrigo Leitão

A história dessa redondinha é muito antiga. Essa massa começou a ser feita ainda na antiga Palestina e era conhecida como “pão de Abraão”. Uma massa de farinha, água e sal que era levada ao forno bem forte. A ela eram acrescentadas ervas e alho. Essa mistura era chamada de Piscea (foto).

Nos tempos em que os romanos colonizavam o Oriente Médio e depois no Egito de Cleópatra, esse preparo conquistou os nobres romanos e aí os césares (antes da Era Cristã) passaram a saboreá-la. Virou prato comum, se espalhou como comida dos exércitos romanos e aí virou mania mundial.

Bem mais tarde, já na Idade Média, o navegador Cristóvão Colombo passou a divulgar esse preparo pela Europa. Naquele tempero de alho e ervas entrou o pomodoro (tomate trazido pelos espanhóis das américas depois de 1500). Nessa época, a pré-pizza já era uma espécie de fast-food e começou a ser consumida no café da manhã e vendida por ambulantes.

Mas foi na Itália, em 1889, que a pizza ganhou o formato e o nome com os quais nós a conhecemos hoje. Também foi a primeira vez que se publicou uma receita de pizza. Naquela época, período pós-unificação italiana, os reis de Itália percorriam o país e foram homenageados com um festival em Nápoles.

O primeiro pizzaiolo da história é Don Rafaelle Espósito (foto), dono de uma famosa cantina napolitana, a Pieto il Pizzaiolo. Ele ficou famoso no verão de 1889, quando venceu o concurso que homenageava a família real. Don Espósito fez uma receita no palácio Capodimonte para o rei Humberto I e sua rainha Margherita de Sabóia.

Para homenagear a rainha, ele preparou a massa achatada recheada com as cores da bandeira real, que hoje são as cores da Itália. Sobre a massa, o pizzaiolo sobrepôs mussarela de búfala (branca), tomate (vermelho) e manjericão (verde). A rainha adorou a receita e a combinação de sabores. Então Rafaelle Esposito batizou a criação de Pizza Margherita. Essa foi a primeira receita de pizza, na história, registrada em um livro. Daí se dizer que a pizza é uma invenção italiana.

Escoceses criam a “pizza suadável”

Um pesquisador da Escócia, Mike Lean, professor da  Universidade de Glasgow, criou uma pizza, que ele chama de “nutritiva”, em parceria com o empresário Donald Maclean. A receita atenderia 30% das necessidades diárias de vitaminas e minerais de um adulto. Segundo Lean, essa pizza também oferece um terço da quantidade recomendada de calorias, proteínas e carboidratos. Lean é professor do Departamento de Nutrição Humana da universidade escocesa e explica que a “pizza saudável” surgiu de uma frustração. Ele disse que depois de alguns estudos sobre comida pronta, aquela que é vendida nos supermercados, os pesquisadores escoceses constataram se trata de alimento desequilibrado.

“São comidas sem a quantidade de sal que você consumiria em um dia inteiro ou mais. Elas têm a quantidade de gordura saturada que você deveria consumir em um dia inteiro ou mais. Os nutrientes que precisamos diariamente não estão nestas refeições. Ninguém pensa sobre isso. Então me uni ao Donnie (Donald Maclean) para tentar fazer isto”, justificou o nutricionista britânico.

O empresário escocês Donald Maclean entrou na pesquisa para criar formas diferentes de incorporar mais nutrientes em uma pizza. “Pesquisei o mercado e descobri que alga marinha era um ingrediente novo e interessante sendo usado em pães artesanais”, disse Maclean. Ele explicou que alga foi usada para reduzir o nível de sal. O conteúdo de sódio da alga marinha é cerca de 3,5% comparado aos 40% do sal. Além disso, a alga marinha também tem iodo, vitamina B12 “e sabor excelente”, afirma o empresário.

A receita escocesa de “pizza saudável” leva tomate e pimentão vermelho, para aumentar a dose de vitamina C, e é enriquecida com magnésio, potássio, ácido fólico e vitamina A. De acordo com o a BBC, a nova pizza será vendida congelada para conservar nutrientes. “Da forma como as recomendações são estabelecidas, você tem 20% dos seus nutrientes e calorias com o café da manhã, 30% com o almoço, 30% com o jantar e mais 20% com lanches”, justificou Maclean.

Receita mais reproduzida no mundo

A pizza é uma massa cortada em formato de círculo, coberta por molho de tomate e queijo, de preferência mussarela. Esta é a receita mais reproduzida em todo o mundo, o prato que mais se come em todo o Planeta. Brasileiros e norte-americanos são os que mais consomem pizza no mundo. E as cidades de Nova York e São Paulo são as campeãs de venda.

Dica para pedir vinho com pizza!

Muita gente tem dificuldade de harmonizar vinhos das cartas dos restaurantes com as pizzas do cardápio, sem que isso pese muito no bolso. Dá para seguir uma regrinha que eu uso e que até agora tem se mostrado muito eficaz, até porque eu costumo pesquisar depois os preços dos vinhos que pedi nos restaurantes. Sabendo quanto custa na loja ou no supermercado, dá para aprender a pedir sempre um bom custo benefício. (RL)

Primeiro, eu vejo se o preço do vinho está muito baixo em relação aos demais. Em muitos casos, o restaurante escolhe um vinho e reduz o preço para uma margem de lucro em torno de 60%, que é o mínimo que a maioria das casas pratica. Pois bem, o segundo vinho da carta, geralmente na faixa de R$ 35 a R$ 40, muito provavelmente, e em 90% dos casos, é o melhor custo-benefício. Os restaurantes fazem isso porque ali eles vão ter uma margem de lucro muito maior, com um vinho de ótima saída. Então, essa é a primeira lição.

As taças seriam uma ótima alternativa de consumo, assim como a meia garrafa. Se mais gente for de vinho, geralmente, na proporção servida e pelo preço cobrado, é melhor comprar a garrafa inteira de 700 ml. (RL)

Saiba como harmonizar

Nem toda pizzaria tem uma carta de vinhos extensa e, geralmente, o sommelier ou até mesmo o chef procuram vinhos universais, de uvas que atendem na média, aqueles sabores. Por isso, o que vai mandar na pedida do vinho é o alimento mais forte. Sempre, o alimento mais forte, de sabor mais acentuado, vai puxar o vinho.
Nese caso você tem três elementos que tendem ao vinho tinto: o tomate, o presunto e a mussarela, que é gordurosa.

Trata-se de um prato simples e, por esta razão, os vinhos devem seguir a simplicidade. Dê preferência aos vinhos italianos, geralmente gastronômicos e por causa disso com acidez apropriada para acompanhar os ingredientes básicos de uma pizza: massa, queijo e molho de tomate. Resumindo, um vinho de corpo mediano, como os chiantis de entrada ou um barbera sem madeira fazem boa companhia às pizzas. Esse vinho poderá seguir praticamente todas as receitas de pizzas. (RL)

APRENDA A COMBINAR

Recheios com peixes, frutos do mar e alichi – a pedida está nos vinhos brancos frescos, minerais, porque são vinhos com boa acidez. No caso específico do alichi, a harmonização fica melhor se comandada por um vinho verde português ou um branco de alvarinho. Não tendo nenhuma das duas opções, chardonnays brasleiros sem madeira ou um branco do Alentejo. Nas demais combinações, sauvignon blanc ou similar italiano (trebbiano).

Marghuerita (muçarela, tomate e manjericão) – pede um vinho branco ou um prosseco ou um espumante brut ou brut rosé.

Calabeza – ordena um vinho mais forte, um vinho toscano, um alentejano, um Bordeaux, para citar regiões mais conceituadas. Merlots brasileiros combinam bem com qualquer pizza mais forte no tomate ou na carne. (RL)

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *