Apreendidos 103 quilos de carne em estabelecimento de Herval d´Oeste

Foto Divulgação

Fiscais da Vigilância Sanitária de Herval d´ Oeste e do Procon realizaram, na última semana, uma operação para a retirada de alimentos que não estejam adequados para a comercialização. Segundo Rafael Zabott, coordenador do Procon, este trabalho vem acontecendo sistematicamente de forma aleatória em estabelecimentos comerciais para averiguar possíveis irregularidades. Nas operações de acordo, com Zabott, os fiscais têm se deparado com muitos produtos vencidos, armazenamento irregular de produtos, situações em que o estabelecimento possui açougue e não tem a autorização para a manipulação dos alimentos, como é o caso da carne moída. Fracionamento de carnes fora da embalagem original, onde não se pode averiguar a procedência do produto e a validade.

Foto Divulgação

Na última operação realizada foram apreendidos 103 kg de carne em um estabelecimento que estavam em péssimas condições para ser comercializado a população. Zabott chama a atenção as condições precárias em que se encontravam diversos alimentos para serem comercializados, alguns em freezers sujos, com forte odor de carne estragada, equipamentos oxidados, sujos, presença de animais domésticos em locais de manipulação de alimentos, produtos vencidos, e muita falta de higiene. Todo o material apreendido foi pesado, registrado e descartado no aterro sanitário de Erval Velho.

Foto Divulgação

Queli Luiza Souza, fiscal da Vigilância Sanitária de Herval d´Oeste, relata que as operações iniciaram no mês de outubro de 2017 e neste período foram fiscalizados 16 estabelecimentos comerciais sendo 10 açougues, uma padaria e mercearias, mais de 200kg de alimentos foram apreendidos que apresentavam diversas irregularidades, mal armazenamento, embalagens sem os dados principais como data de validade, procedência, carnes temperadas em açougues, produtos sem inspeção e casos graves de falta de higiene.

Foto Divulgação

A fiscal se diz preocupada com a qualidade destes produtos que estão sendo comercializados e levados até a mesa da população podendo trazer danos à saúde de quem os consome, portanto faz um alerta para que o consumidor esteja atento ao que for adquirir e observar o estabelecimento para que em caso de alguma irregularidade comunique imediatamente a Vigilância Sanitária ou o Procon para que as providências sejam adotadas. Queli reitera que todos os produtos apreendidos pela vigilância são descartados no aterro sanitário em Erval Velho e para os estabelecimentos reincidentes nas irregularidades foi lavrado o auto de infração e o comerciante tem o prazo de 15 dias para apresentar a sua defesa. Em seguida é instaurado o Processo Administrativo e vai a julgamento. O infrator pode ser penalizado com o pagamento de 1 a 15 Unidades de Referência (UR).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *