Melhores vinhos do Brasil a 300 Km de Joaçaba

Em apenas 4 horas de carro é possível desembarcar na Serra Gaúcha
e conhecer os vinhedos, cantinas, produção e experimentar alguns dos melhores espumantes do mundo e vinhos no nível de Chile e Argentina

 

Rodrigo Leitão
jornalismo@raizesdiario.com.br

Num roteiro rápido, boas estradas, paisagem esplendorosa e viagem tranquila, o turista entra em contato com uma diversidade de produtos que vão desde a uva bem docinha que acaba em vinho até queijos deliciosos e salames, copas e presunto de Parma tal qual elaborados na Itália. No circuito entre Bento Gonçalves e Carlos Barbosa é possível conhecer duas vinícolas por manhã, duas por tarde, fazer um passeio gastronômico pela Rota do Sabor ou na Via Gastronômica em Bento Gonçalves ou Rota Romântica, onde várias cantinas e restaurantes recebem o visitante com farta e boa culinária regional italiana.

Saindo e Joaçaba numa sexta-feira pela manhã, chega-se à Serra Gaúcha na hora do almoço. Aí, uma das melhores dicas é almoçar em algum restaurante da Rede DiPaolo. Peça um galeto completo (considerado o melhor do Brasil), que vem em rodízio com duas saladas, queijo à dorê, polenta na chapa e polenta frita, maionese, azeite, pão, sal rosa, aceto balsâmico e uma massa à sua escolha. A tradicional é o espaguete, de preferência ao molho funghi (como na foto), porque é fresco e não se encontra funghi fresco facilmente.  Esse prato custa R$ 60,00 por pessoa, mas vale o quanto pesa. Pra acompanhar, os ótimos vinhos da região.

Ainda há a opção de um passeio na Maria Fumaça, que sai de Bento Gonçalves e faz um trajeto de 23 km, passando por Garibaldi (a capital brasileira do espumante), com uma parada para a degustação de vinhos e espumantes produzidos na cidade. Tudo incluído no preço: R$ 27,00 por pessoa. Durante o trajeto, homens e mulheres trajados tipicamente como camponeses produtores de uvas entram nos carros e tocam e cantam, convidando os passageiros para dançar e tirar fotos.

No fim da linha, em Carlos Barbosa, você pode visitar gratuitamente a loja de varejo da Tramontina e, atravessando a rua, provar e comprar queijos Valbrenta, produzidos no Vale dos Vinhedos pela queijaria de mesmo nome, a menor do Brasil com inspeção estadual. Além de outros produtos coloniais, como sucos, graspa, cachaça, doces e compotas e salames, Paras e copas dos melhores produzidos por aqui. A família tem dois endereços, a cantina no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, e a loja Fetina de Formai, em Carlos Barbosa, em frente à loja da Tramontina.

Desvendando vinhos e espumantes

Em um fim de semana, otimizando bem o seu tempo, é possível conhecer três vinícolas e almoçar numa cantina tipicamente italiana, sem rodar muito e na mesma região, o Vale do Rio das Antas. Saindo cedo de sua hospedaria, você pode chegar por volta de 9h30 na Vinícola Salton, há 13 km de Bento Gonçalves, pela BR 470, no sentido Veranópolis.

A Salton é o maior produtor de espumantes do Brasil, com aproximadamente 10 milhões de litros por ano, quase a metade da produção nacional. Lá, você experimenta ótimos vinhos e maravilhosos espumantes pagando R$ 30, pela visita guiada e convertendo 50% em compra de produtos na loja da fábrica, ao término da degustação de quatro rótulos. SE tiver a oportunidade de escolher, opte pelo guia Edson Bublitz, um jovem sommelier internacional que traduz todas as informações no seu nível de conhecimento.

Na Salton você conhece todo o processo de fabricação de um vinho, desde o descarregamento das uvas até o acondicionamento das garrafas já fechadas e seu descanso de adega, antes de ir para o mercado. No porão, todo erguido em basalto de pedras encaixadas e sem massa, que favorece o amadurecimento da bebida, você ainda vê as taças usadas pelos papas Bento XVI e Francisco, quando experimentaram os vinhos Salton em suas visitas ao Brasil.

Saindo da Salton, você pode almoçar na Cantina Addolorata (quer dizer Nossa Senhora das Dores). Fica pertinho, a menos de um quilômetro dali. Lá você será recebido pelo Sr. Nei, um italiano “bona gente” que te conta a história da região e te oferece um farto almoço por R$ 50,00. Ele também te dá uma taça de vinho, a escolher de sua produção caseira, como degustação. Se você se interessar pela bebida, pode descer até a adega e experimentar, pagando um valor a combinar, toda a produção da Addolorata. Os vinhos variam entre suaves, doces, licorosos e secos, brancos, tintos e rosés. O destaque é a uva Lorena.

Essa uva é um fruto híbrido, criado há alguns anos pela Embrapa, mas que não deu muito certo. Há uns três anos, dois enólogos gaúchos fizeram um espumante com essa uva e ganharam Medalha de Ouro num concurso na Califórnia, nos Estados Unidos. Pronto, foi o que bastou para a Embrapa se interessar novamente e outros produtores também. “Eu faço esse branco seco num bland com Moscato”, revelou o Sr. Nei. O resultado é um vinho brasileiro muito parecido com o Torrontés argentino. Apropriado para comidas orientais, especiarias, carnes brancas e saladas.

Deixando a Linha Tuití, seguimos para o sul no caminho de volta a Bento Gonçalves. Descendo pela BR 470, alguns quilômetros depois, pega-se a ERS 431 e no seu km 5,3, no Distrito de Faria Lemos, chegamos à Vinícola Dal Pizzol. Se você for num bom horário, o próprio Seu Antônio Dal Pizzol vai te receber. É um sítio bem montado para apreciar os belos vinhos e espumantes da casa e com um food trucker gurmê instalado entre árvores e gramado, num grande longe a céu aberto.

Dois destaques são a Degustação Técnica, que necessita agendamento e para grupo mínimo de dez pessoas e a Degustação às Cegas, uma experiência sensorial sobre as características do mundo da uva e do vinho, porém, de olhos vendados. As duas opções fazem parte da Estação Vindima e só duram até o dia 18 de março.

Voltando da Dal Pizzol para Bento Gonçalves, na mesma ERS 431, você pode fazer uma entrada à direita no KM 4,2 e em 500 metros de estrada de terra você chegará ao paraíso. Procure o galego Irineo Dall’agnol, doutor em vinhos que atuou por anos como agrônomo da Embrapa e que hoje, aposentado, dedica sua vida a criar pérolas com uvas. Literalmente, de cima dos campos desta vinícola, você “bebe” estrelas e até uma estátua de Don Perignon está lá para brindar com você.

A Estrelas do Brasil representa exatamente a expressão que o frade francês exclamou assim que abriu a primeira garrafa de champagne, produzida acidentalmente, depois de esquecida em um barracão do mosteiro após um forte inverno. Ao abrir a garrafa e ver que a bebida estava gasosa e com bolinhas que pareciam estrelas, o frade francês sentenciou: “Estou bebendo estrelas.” E assim Irineo Dall’agnol idealizou seu negócio.

Na Estrelas do Brasil você experimenta toda a linha de espumantes, do Moscatel ao Nature, incluindo um sugestivo e curioso rótulo negro: o espumante de vinho tinto, elaborado com uva Merlot, esgotado, mas que terá nova produção em breve. A vinícola também produz um vinho branco, em parceria com o uruguaio Alejandro Cardozo, e o um tinto.

O Fumé Blanc (R$ 40), é inspirado na criação setentista do norte-americano Robert Mondavi e elaborado com uva Sauvignon Blanc, plantada em Nova Prata (RS). O tinto é o Dall’agnol Superiore 2008 (R$ 80,00), um blend de quatro uvas, num corte bordalês arredondado por Tannat, com Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc. Está saindo este mês para o mercado um outro vinho, rosé, no melhor estilo da Provance: 100% Pinot Noir, plantada em uma pequena montanha, leva o nome de Monte Vino e custará R$ 35.

Retornando a Bento Gonçalves, siga para a Cidade Alta e, na Rua Vitória, nº 255 você chega na Vinícola Aurora, a maior do Brasil, bancada por uma cooperativa de 1.100 famílias. Lá, você degusta vinhos, espumantes e sucos e faz um passeio gratuito pelo subterrâneo da empresa, onde é possível visitar os tonéis de inox que, inclusive, vinificam para outras marcas, além de conhecer barris de carvalho francês e americano e depois comprar os produtos da vinícola na loja de varejo. Se quiser fazer um lanche, do lado da loja há um café da vinícola.

____________________________________________

ONDE IR

Tramontina Varejo – Rua Maurício Cardoso, 193 – Centro, Carlos Barbosa – RS. Telefone: (54) 3461-7750.

Fetina de Formaio – Rua Rio Branco, 167 – Centro, Carlos Barbosa – RS. Telefone: (54) 3461-1966.

Dal Pizzol Vinhos Finos – 431, KM 5 – Distrito de Faria Lemos, Bento Gonçalves – RS. Telefone: (54) 3449-2255.

Estrelas do Brasil – ERS 431 – Km 4,2 – Faria Lemos – Bento Gonçalves – RS. Fones: (54) 99924.1016 / (54) 3439.1089. E-mail: estrelas@estrelasdobrasil.com.br

Vinícola Aurora – Rua Vitória, 255 – Cidade Alta. Telefones: 54.2621.3160, 54.2621.3180, 54.99654.2720. atendimento@vinhosevinhos.com

Cantina Addolorata – Distrito de Tuiuty, Vale do Rio das Antas, Bento Gonçalves-RS. Telefone: (54) 99925-5137.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *